sábado, 9 de abril de 2011

Nota sobre a tradução da expressão actuosa participatio

Na sequência de uma série de entradas que vimos publicando sobre actuosa participatio, a fim de esclarecer alguns equívocos à volta da sua justa interpretação e da sua concretização nas celebrações litúrgicas, julgamos de suma importância uma consideração sobre a tradução desta expressão latina para o vernáculo, neste caso o inglês, mas que, mutatis mutandis, se pode aplicar ao português com efeitos sumamente positivos.

Não é fácil alterar o modo pelo qual uma expressão é entendida num idioma, após anos de uso com uma determinada configuração e sentido dela decorrente, mas, a bem da sua justa interpretação, vale a pena tentar.

Diz Martin Baker em nota de rodapé na abertura de um artigo de sua autoria publicado na página 8 (p. 9 do pdf) do número de Inverno de 2008 da revista Sacred Music:
The Latin phrase actuosa participatio is perhaps better translated as “actual participation.” The term “actuosa” incorporates both the contemplative (internal) and active (external) aspects of participation. The term “activa” could have been used, but this term normally excludes the contemplative aspect.
Esta observação, a ter fundamento, é potencialmente revolucionária. Se actuosa participatio fosse vertida para português como «participação efectiva», muitos dos problemas que se colocam ao nível da música litúrgica ― concretamente, os resultantes do suposto imperativo de ter a assembleia permanentemente a cantar tudo o que há para cantar, em desprezo pela função ministerial do coro e pela distribuição das partes litúrgicas pelos diversos ministros (presbítero, acólito, cantor, leitor, etc.), tal como proposto pelo Magistério ― não se colocariam.

Exige-se, portanto, uma sólida formação sobre música sacra, tal como definida pelo Magistério da Igreja, quer da parte dos músicos litúrgicos, quer, sobretudo, por parte dos pastores, uma vez que são eles, em última análise, os responsáveis máximos pela vida litúrgica das almas que se lhes confiam.

Um desafio aos nosso leitores latinistas: a asserção de Baker tem fundamento? Concretamente, a expressão actuosa participatio é mais bem vertida para português como «participação efectiva» do que por «participação activa»?

Se sim, urge usar a expressão que agora se configura como alternativa mais verdadeira e produtiva, mais de acordo com o Magistério e com a Tradição do que a expressão usualmente utilizada.

1 comentário:

  1. S. Pio X, na versão italiana da Tra le sollecitudini que nós conhecemos, emprega a expressão «partecipazione attiva». Portanto, talvez não seja necessária uma retradução, mas simplesmente uma reinterpretação.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Por favor comentai dando a vossa opinião ou identificando elos corrompidos.
Podeis escrever para:

capelagregorianaincarnationis@gmail.com

Print Desejo imprimir este artigo ou descarregar em formato PDF Adobe Reader

Esta ferramenta não lida bem com incrustrações do Sribd, Youtube, ou outras externas ao blog. Em alternativa podeis seleccionar o texto que quiserdes, e ordenar ao vosso navegador que imprima somente esse trecho.

PROCURAI NO BLOG