domingo, 3 de julho de 2011

Música e Liturgia segundo o Pe. Paulo Ricardo

Uma defesa litúrgica do canto gregoriano, embora não tão sólida do ponto de vista musical quando menciona o canto do salmo responsorial, típico do cristianismo primitivo mas caído em desuso por altura da constituição do repertório gregoriano clássico (séc. VI-VIII) ‒ altura em que o canto do salmo já tinha transitado para a esfera da schola, cabendo a um cantor solista o canto do versículo, música de grande complexidade destinada a suscitar reflexão teológica sobre a leitura anterior e a preparar a leitura posterior, e não para o canto congregacional. Na prática, o canto após a primeira leitura, que na forma ordinária da liturgia católica é habitualmente feita segundo um esquema responsorial, é, no repertório gregoriano, um momento de escuta e meditação, não de participação vocal da assembleia, constituindo um dos pontos de mais difícil conciliação entre a tradição litúrgica medieval e as tendências modernas.

1 comentário:

  1. Deus abençoe o Padre Paulo! Ele introduz muito bem o assunto. Concordo com o que dizes, e parece-me útil ler a entrada da Catholic Encyclopaedia sobre o Gradual, na qual se explica o significado da expressão "psalmus responsorius". Sabendo que a reforma litúrgica, na Instrução Geral do Missal Romano actualmente em vigor, permite o uso do Gradual tradicional, o qual, como muito bem dizes, é mais para as pessoas ouvirem do que para cantarem, será possível conciliar o repertório tradicional com o texto do salmo responsorial apresentado pelo Leccionário Romano com intenção de retomar a prática primitiva da Igreja? Uma hipótese de aplicação imediata seria adaptar a melodia dos versículos salmódicos que nós cantamos no intróito ou na comunhão ao "refrão" do salmo responsorial do leccionário. Isso é muito fácil de fazer. Outra ideia que me parece útil é a de que o Leccionário Romano é para ser lido (embora até as leituras possam ser entoadas), podendo recorrer-se às peças do Graduale Romanum onde haja cantores com capacidade para isso. E quem sabe se daqui a uns anos, com a maior familiaridade das igrejas locais com o gregoriano, não surjam compositores capazes de compôr melodias verdadeiramente sacras para os textos litúrgicos em língua portuguesa. Até lá ainda há um longuíssimo caminho a percorrer. Um abraço

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Por favor comentai dando a vossa opinião ou identificando elos corrompidos.
Podeis escrever para:

capelagregorianaincarnationis@gmail.com

Print Desejo imprimir este artigo ou descarregar em formato PDF Adobe Reader

Esta ferramenta não lida bem com incrustrações do Sribd, Youtube, ou outras externas ao blog. Em alternativa podeis seleccionar o texto que quiserdes, e ordenar ao vosso navegador que imprima somente esse trecho.

PROCURAI NO BLOG