domingo, 29 de abril de 2012

Cânticos gregorianos em Português para o 4ª Domingo da Páscoa

Intróito A misericórdia do Senhor :


1º Aleluia (depois da 1ª Leitura) A Redempção enviou-a o Senhor ao seu povo:



2º Aleluia (depois da 2ª Leitura) Eu sou o Bom Pastor:




Ofertório Deus Deus meu:




Antífona da Comunhão Eu sou o Bom Pastor :


Mais cânticos para este Domingo.

Cântico gregoriano em português para o 2º Domingo da Páscoa

Antífona da Comunhão gregoriana Mitte manus, aqui cantada em Língua Portuguesa, por mim: Mete aqui a tua mão (Jo 20,27).

Mais cânticos gregorianos para este Domingo.

Retiro de imersão total em música sacra

Nos Estados Unidos realiza-se anualmente um encontro internacional de gente apaixonada pela música litúrgica da Igreja Católica Romana. Dá pelo nome de Sacred Music Colloquium e realiza-se na Catedral de Santa Madalena em Salt Lake City em finais de Junho.

A maioria dos interessados são fiéis com vontade de ajudar a sua comunidade de origem a cantar boa música mas sem as competências necessárias para tal. Como se fossem aprender uma língua nova, os participantes são mergulhados no canto gregoriano e na polifonia do Renascimento, e cantam diariamente a melhor música de sempre durante a Liturgia da Santa Missa. Há aulas de técnica vocal, leitura musical e direcção coral, e muitos momentos de são convívio e amizade fraterna! Tudo para a maior glória de Deus e edificação dos cristãos de rito romano.

Assista ao documentário Sacred, Beautiful, & Universal e visite o website da Associação Norte-Americana de Música Sacra em: http://musicasacra.com/colloquium/

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Padre Paulo Ricardo responde: "É permitido músicas protestantes dentro da Santa Missa?"



A música executada na celebração da Santa Missa, como tudo que envolve esta celebração -- centro da vida do cristão católico -- não é qualquer música, portanto, não pode ser escolhida aleatoriamente. A Igreja, ao longos dos seus dois mil anos de História, sempre teve especial atenção aos cânticos e músicas executadas nas mais diversas celebrações, especialmente na Santa Missa. O Catecismo da Igreja Católica dedica os números 1156, 1157 e 1158 a explicar a importância do canto e da música para a liturgia:

" A tradição musical da Igreja universal constitui um tesouro de valor inestimável que se destaca entre as demais expressões de arte, principalmente porque o canto sacro, ligado às palavras, é parte necessária ou integrante da liturgia solene. (...) O canto e a música desempenham sua função de sinais de maneira tanto mais significativa por estarem intimamente ligadas à ação litúrgica, segundo três critérios principais: a beleza expressiva da oração, a participação unânime da assembleia nos movimentos previstos e o caráter solene da celebração. Participam assim da finalidade das palavras e das ações litúrgicas: a glória de Deus e a santificação dos fiéis. (...) Todavia, os textos destinados ao canto sacro hão de ser conformes à doutrina católica, sendo até tirados de preferência das Sagradas Escrituras e das fontes litúrgicas."

Ora, o texto do CIC é bastante claro no sentido de que a Igreja possui a música como patrimônio e este não deve ser jogado fora. Não é possível deixar de lado esse tesouro em detrimento de músicas que estão "na moda". É preciso perceber que o canto e a música colaboram para que o fiel mergulhe no mistério da celebração e aproxime-se do centro que é Deus. O Papa Bento XVI, em sua exortação apostólica Sacramentum Caritatis é ainda mais objetivo quando diz:

"Na sua história bimilenária, a Igreja criou, e continua a criar, música e cânticos que constituem um patrimônio de fé e amor que não se deve perder. Verdadeiramente, em liturgia, não podemos dizer que tanto vale um cântico como outro; a propósito, é necessário evitar a improvisação genérica ou a introdução de gêneros musicais que não respeitem o sentido da liturgia. Enquanto elemento litúrgico, o canto deve integrar-se na forma própria da celebração; consequentemente, tudo — no texto, na melodia, na execução — deve corresponder ao sentido do mistério celebrado, às várias partes do rito e aos diferentes tempos litúrgicos. Enfim, embora tendo em conta as distintas orientações e as diferentes e amplamente louváveis tradições, desejo — como foi pedido pelos padres sinodais — que se valorize adequadamente o canto gregoriano, como canto próprio da liturgia romana."

Assim, percebe-se que a música e o canto não podem ser escolhidos sem critérios, deve-se respeitar o sentido da liturgia, que é adorar a Deus, fazendo memória da Paixão, Morte e Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo. É preciso sair do antropocentrismo e devolver a Deus, seu lugar no centro da celebração.

De forma prática, necessário se faz considerar ainda que nem todo católico possui formação adequada para perceber eventuais erros teológicos ou mesmo heresias que possam estar inseridas em músicas protestantes. É um mal que pode e deve ser evitado. Seguro, então, é caminhar pela vereda apontada pelo Doce Cristo na Terra, o Papa Bento XVI: preservar o patrimônio de fé e de amor que é a música e o canto sacros, utilizando-os e focando na formação dos músicos, "valorizando adequadamente o canto gregoriano, como canto próprio da liturgia romana".


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Por favor comentai dando a vossa opinião ou identificando elos corrompidos.
Podeis escrever para:

capelagregorianaincarnationis@gmail.com

Print Desejo imprimir este artigo ou descarregar em formato PDF Adobe Reader

Esta ferramenta não lida bem com incrustrações do Sribd, Youtube, ou outras externas ao blog. Em alternativa podeis seleccionar o texto que quiserdes, e ordenar ao vosso navegador que imprima somente esse trecho.

PROCURAI NO BLOG