domingo, 20 de julho de 2014

Cânone Romano em Canto Gregoriano em Português!

Oração Eucarística I da Forma Ordinária do Rito Romano, segundo o tom mais solene: PDF.


https://www.dropbox.com/sh/ly9cndcin71pnfm/AAA8yyK1-NUqs45w-G_b1lPwa/Canon%20solene%20em%20Portugu%C3%AAs.pdf

Conhecei tão-bem a interessantíssima edição do Secretariado Nacional de Liturgia, para o Canto do Celebrante, que por uns míseros 20 € oferece as melodias para tôdas as orações do celebrante durante a Eucaristia.


sexta-feira, 11 de julho de 2014

Salmo Responsorial Gregoriano em Português!


Para cada Missa, tendes duas opções à escolha:
  1. Optais pelo Responsório Gradual, indicado pelo livro Graduale Romanum. 
  2. Optais pelo Salmo Responsorial do Leccionário Romano.

Tomemos o exemplo da Missa ferial da 6ª Feira da XXVª Semana do Tempo Comum, ano par.

1. Responsório Gradual do Graduale Romanum

Esta é a opção mais tradicional, e solene. Para o dia escolhido, o Responsório Gradual indicado pelo livro Graduale Romanum, na página 340, é o Dirigátur orátio mea:



Ouçamo-lo:



Lindíssimo! Dada a enorme diferença entre o que acabámos de ouvir e o que estamos habituados a ouvir na Missa como "Salmo Responsorial", tentarei explicar as vantagens de escolhermos o Responsório Gradual clássico para as nossas celebrações, em vez do moderno Salmo Responsorial como apresentado no Leccionário.

Em 1º lugar, o nome: Responsório Gradual (Responsorium Graduale). Ele é responsorial porque vem responder à Leitura que o antecede (e não pelas respostas que o povo vai dando a cada versículo).

Acontece que, na Tradição, as Leituras são proclamadas com grande sobriedade, com o texto entoado de modo muito simples, monocordicamente, e destacando-se somente o fim dos períodos (como nos exemplos que dei para o Imaculado Coração). Isto destina-se a facilitar a percepção do texto pelo pôvo no espaço sagrado. Segue-se então um momento de meditação sobre a Leitura, que é feita invertendo esta estética: pouco texto, com muita ornamentação. Esta forma musical pretende dar espaço à ruminatio da Palavra de Deus, e exteriorizar os sentimentos da alma que tem em si a Palavra de Deus, não com verborreia ôca, mas com música celestial, porque aquilo que sente não há como explicá-lo. Como Santo Agostinho dizia:

Não procures palavras, como se pudesses explicar a Deus aquilo que o agrada: canta com gritos de alegria.

Ou, ainda melhor, como dizia Jesus:

Quando orardes, não digais muitas palavras, como os pagãos, porque pensam que serão atendidos por falarem muito. Não sejais como eles, porque o vosso Pai bem sabe do que precisais, antes de vós Lho pedirdes.

E é Graduale: porque antigamente era cantado um degrau (gradus) abaixo daquele donde era proclamada a Leitura (ambão) como que expressando a tentativa de aceder à Palavra de Deus, através da oração e do exercício das virtudes cristãs, porque a Palavra de Deus não são as letras e sinais gráficos que possam escrever-se num livro ou de lá serem lidas mecanicamente, mas é sim a raça que é recebida e a conversão operada que leva até Deus: o Gradual é o degrau pelo qual se sobe à Palavra, Palavra de Deus que é O próprio Deus, Deus que é amor.

Solução semelhante acontece na Liturgia das Horas, em que uma Leitura é seguida por um Responso. Este responso oferece a chave cristológica para a Leitura, e selecciona algum ponto especial digno de meditação. Todavia, como a Missa é mais importante para a vida da Igreja do que a Liturgia das Horas, o Responsório recebe na Missa maior solenidade do que na Liturgia das Horas.

Musicalmente, esta alegria que não se consegue explicar é traduzida pelos melismas, aquelas longas sequências de notas atribuídas a uma mesma sílaba. Obviamente difíceis de cantar, e impossíveis de repetir pela maioria das assembleias, requerem algum ensaio e destreza no canto em público, e como tal destinam-se ao cantor, que é alguém cujo ministério específico é cantar para a glória de Deus, O qual é servido - assim esperamos - com música de primeiríssima qualidade; e para a edificação dos fiéis na assembleia, aos quais é dado escutar a Palavra de Deus. Esta é a Tradição da Igreja.

Falta ainda dizer que:
  • é recomendável que a assembleia seja guiada para esta dinâmica de escuta e meditação, em vez de escuta e repetição.
  • parece muito difícil, mas com tempo de ensaio, é fácil um ou dois cantores aprenderem a cantar o Gradual. O mesmo Gradual canta-se muitas vezes todos os dias da mesma semana, bem como noutras semanas, seja com o mesmo texto, seja com texto diverso mas com melodia semelhante (economia de reportório).
  • uma vez que o Responsório Gradual é uma forma musical de grande solenidade, é conveniente (mas não obrigatório) que outras secções da Liturgia da Missa, musicalmente mais simples, sejam também cantadas (como tentei explicar neste artigo), tais como: saudações, aclamações e diálogos entre Celebrante e Assembleia; orações do Celebrante, principalmente colecta e prefácio da Oração Eucarística; Pater Noster, Sanctus, e outros cânticos do Ordinário (Kyrie, Gloria e Credo quando se cantam, e Agnus Dei); Leituras e Oração dos Fiéis.
  • nas missas feriais, em que se lê uma só Lição antes do Evangelho, o canto do Responsório dispensa o canto do Alleluia, e vice-versa. Podemos dispensar um, mas também podemos cantar os dois.
Se quisermos cantar o Gradual em Português, basta escrever o texto vernáculo debaixo das sílabas em Latim:



Outros exemplos:
  • Gradual Cristo fez-Se obediente até à morte, morte ademais de cruz.


  • Gradual Os olhos de todos em Ti esperam, Senhor.






2. Salmo Responsorial do Leccionário

Para as Igrejas mais humildes, que não consigam integrar o Gradual clássico na sua vida Litúrgica, seja pela razão que fôr, e que tão-pouco encontrem nas edições de "Salmos Responsoriais" correntemente em voga o espírito gregoriano mais autêntico, tentarei de seguida oferecer uma alternativa, fiel ao texto litúrgico, fiel à estética gregoriana, e simples de cantar e repetir.

Este Salmo Responsorial teria os versículos entoados monocordicamente (isto é: sempre na mesma nota, excepto as pequenas inflexões no início e no fim, respectivamente chamadas de entoações e cadências), e um refrão também muito simples, um pouco mais melódico do que os versículos. O resultado seria muito semelhante à salmodia da Liturgia das Horas, o que por um lado permitiria a participação vocal da assembleia na Liturgia, mas por outro teria o inconveniente, como já foi dito, de não ser Tradição da Igreja exigir do pôvo uma aclamação neste momento, nem ser tradicional a Liturgia das Horas e a Missa receberem um tratamento musical idêntico, como se tivessem idêntica importância.

Pois bem, tomemos o nosso exemplo da Missa da 6ª Feira da 25ª Semana do Tempo Comum, ano par. O refrão do respectivo salmo responsorial é:
Bendito seja o Senhor, meu rochedo!
O qual tem 12 sílabas. Vamos ao último melisma do refrão do Gradual deste dia, e seleccionamos as últimas 12 notas:


Que seriam mi agudo - ré agudo - dó - dó - si - sol - si - lá - si - lá - lá - sol. Aplicando estas 12 notas às 12 sílabas do refrão, ficamos com o seguinte:


Que já dá para sentir algo do Gradual original :)
Quem diz "tomar últimas notas do último melisma", diz também tomar as doutro segmento do gradual, se tal resultar mais confortável vocalmente, e desde que a última corda a ser cantada seja sempre a mesma da última nota da peça (para não variar o modo).

Faltam, portanto, os versículos. Como o nosso refrão é do 7º modo, os versículos também serão do 7º modo. Entoaremos os versículos com as fórmulas salmódicas que se usam nas Antífonas de Entrada e Comunhão da Missa, os chamados "tons do Gloria Patri", esquematizados aqui.

A ideia é dividir cada versículo em 2 metades, os chamados "hemistíquios".
Sôbre as primeiras sílabas do 1º hemistíquio canta-se a entoação inicial (texto em itálico), e nas últimas sílabas do 1º hemistíquio colocamos a cadência intermédia (negrito e itálico).
O 2º hemistíquio começa com a entoação intermédia (itálico); se esta parte fôr muito grande, tem uma flexa a meio caminho (negrito); e termina com a cadência final (negrito).

Exemplo do 1º versículo deste salmo responsorial, que não tem flexa:



Com muitas repetições, sai assim (MP3):






Já experimentei este método com vários Salmos, e resulta sempre bem, desde que se cantem transpostos para um registo confortável :)
Eis alguns exemplos:
  • Missa do Dia de Natal
    •  Todos os confins da terra viram a salvação do nosso Deus. (PDF)
  • Corpo de Deus:
    • Ano B: Tomarei o cálice da salvação (PDF, MP3)
  • Sagrado Coração de Jesus
    • Ano B: Ireis com alegria às fontes da salvação. (PDF)
  • Salmos responsoriais da 25ª Semana do T.c., ano par (PDF, Salmo 89/90 em MP3, Salmo 143 em MP3): 
    • O justo habitará no monte santo do Senhor.
    • Guiai-me, Senhor no caminho dos vossos preceitos.
    • Vossa palavra é uma luz para os meus passos.
    • Ó Senhor, Vós fostes sempre um refúgio para nós.
    • Bendito seja o Senhor, meu rochedo.

Descarregai uma folha pautada, e experimentai-o vós.
Enviai-nos as vossas composições para capelagregorianaincarnationis@gmail.com
Para mais cânticos gregorianos em Português, vêde a etiqueta "Gregorianáculo".

São Bento, rogai por nós.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Por favor comentai dando a vossa opinião ou identificando elos corrompidos.
Podeis escrever para:

capelagregorianaincarnationis@gmail.com

Print Desejo imprimir este artigo ou descarregar em formato PDF Adobe Reader

Esta ferramenta não lida bem com incrustrações do Sribd, Youtube, ou outras externas ao blog. Em alternativa podeis seleccionar o texto que quiserdes, e ordenar ao vosso navegador que imprima somente esse trecho.

PROCURAI NO BLOG